Não é montagem, é o maior caranguejo do mundo.


A espécie de carangueijo conhecida como Birgus latro é mais comumente conhecido como o “caranguejo de coco” e é o maior artrópode terrestre do mundo. Também conhecido como “caranguejo ladrão”, devido à sua propensão curiosa para roubar talheres, panelas e frigideiras, é uma espécie que pode chegar até 9 quilos. O caranguejo coco é uma particularidade em meio a diversidade das ilhas do Pacífico e Índico, apesar de suas populações serem extremamente ameaçadas em alguns locais por conta da ação humana. “A espécie cresce de forma bastante lenta, demorando até 120 anos para atingir o tamanho máximo”, afirma a ecologista Michelle de Drew, do Instituto Max Planck. Sua expansão é tão intensa que até ameaça infringir as próprias leis físicas.



Como um artrópode, o caranguejo coco usa seu esqueleto do lado de fora e deve desgarrasse dele à medida que cresce, por isso, uma vez por ano, ele engatinha para uma toca de segurança e realiza a muda. Nesse momento, fica altamente vulnerável, uma vez que sai de uma casca rígida, e demora certo tempo para acontecer o desenvolvimento de novas ‘armaduras’. Essa espécie não absorve cálcio e outros nutrientes com muita facilidade e, para isso, precisa de tempo, porém, muitas vezes, ainda com o casco delicado, são perturbados por agentes externos.

"Em um ambiente de água em que você precisa do apoio da água para se mover, com uma casca, fica muito mais pesado e difícil", disse Drew. "Mas em terra, a gravidade desempenha um papel enorme para você se mover e os caranguejos de coco estão provavelmente nos limites do que é dado como gravidade sustentável, como o peso da casca e os recursos disponíveis para eles em termos de comida e água". E alimentar esse crescimento incrível não é tarefa fácil, por isso, o caranguejo coco come qualquer coisa que suas presas podem agarrar. Ele vai atrás de frutas, vegetação e carniça: aves mortas e outros caranguejos de coco, inclusive jovens felinos e aves.
Agora, o alimento favorito parece ser cocos, que ele abre com facilidade por ser equipado com pinças enormes. "Eles usam suas garras para afastar as fibras exteriores", disse Drew. "Isso às vezes pode demorar muitos dias e muitas vezes envolve uma série de caranguejos. Eles, então, usam a sua mais longa pata para perfurar um buraco no coco e, em seguida, eles podem usar suas garras para arrombá-lo".
O caranguejo coco encontra comida com o seu sentido extremamente bem desenvolvido do olfato. Como um inseto, ele usa um sistema de antenas extremamente aguçado, dedicando inteligência considerável para isso. "O cérebro desta espécie é enorme em comparação a outras espécies de caranguejos”, disse Drew, "E tem semelhanças com o desenvolvimento olfativo dos insetos, mostrando-se um bom exemplo de evolução convergente associado com uma adaptação em terra".

Apesar de ser o maior artrópode terrestre do mundo, caranguejos coco começam suas vidas no mar. Após o acasalamento em terra firme, a mãe libera seus ovos fertilizados no oceano, onde se transformam em larvas com cerca de um mês. Elas, então, são introduzidas no que é conhecido como a fase “glaucothoe” e encontram uma concha de caracol para ocupar. Neste ponto, o caranguejo coco é, em essência, muito parecido com o caranguejo eremita que você compra na loja de animais. Entretanto, depois que o caranguejo coco alcança a terra, ele nunca mais retorna ao mar, exceto para liberar seus ovos. Eles provavelmente se afogariam se ficassem em um lugar totalmente submerso.

Via